Em uma reunião à imprensa, realizada na quinta-feira (26), a Check Point Software apresentou dados e considerações importantes sobre o aumento dos ataques de ransomware no mundo. A empresa especializada global em cibersegurança digital também mostrou como mitigar esse problema, tendo a prevenção como chave, além de apresentar seu novo country manager para o Brasil, Eduardo Gonçalves.

Suas informações trazem que o nível de sofisticação das ameaças da geração 5 (Gen V) continua a aumentar. Isso engloba ataques à cadeia de suprimentos, ameaças de ransomware que podem derrubar uma pequena empresa, um hospital inteiro e, até mesmo, a infraestrutura de um país, trazendo ainda mais desafios às organizações.

Leia também:

Aumento de 14% dos ataques de ransomware

A Check Point chama a atenção para o crescimento de 14% ano a ano em ataques de ransomware globalmente, com 1 em cada 60 organizações no mundo sendo afetada por este tipo de investida criminosa semanalmente. Fora que os custos para as vítimas acabam sendo sete vezes maiores que o valor pago aos hackers nos resgates.

publicidade

Sobre nossa região da América Latina, os dados trazem que uma organização sofreu em média 1.586 ataques por semana nos últimos seis meses (em comparação com 1.116 ataques por organização em todo o mundo). No caso do Brasil, uma organização vem sendo atacada em média 1.510 vezes por semana neste mesmo período.

Pandemia e aceleração na digitalização das organizações

Conforme lembra a Check Point, com os adventos da pandemia da Covid-19, houve uma aceleração dos planos das organizações que, de imediato, adotaram o trabalho híbrido e remoto, com adoção acelerada da nuvem. Nesse sentido, um dos principais tormentos tem sido o ransomware.

Nos últimos cinco anos, ataques dessa natureza foram dos e-mails aleatórios para negócios multimilionários de todos os setores, em formatos direcionados e sofisticados. Com o nível de sofisticação aumentada, há novas tendências como Ransomware-as-a-Service ou dupla e até tripla extorsão.

Ou seja, os cibercriminosos passaram a fazer ameaças de publicar informações privadas para dupla extorsão e exigir resgate não apenas da própria organização infectada, mas também de seus clientes, parceiros e fornecedores, no formato de tripla extorsão.

Um destaque dado pela empresa foi de que, nos últimos dois anos, houve um aumento exponencial de ataques multi vetores (explorando várias vulnerabilidades distintas). As práticas nocivas se ampliaram, tendo o fator humano como um dos principais elos frágeis nas ocorrências.

Prevenção para combater cibercriminosos

“Governos e empresas simplesmente não podem mais se contentar com menos, devendo optar por soluções de cibersegurança que os protejam por completo em relação aos múltiplos vetores de ataque”, explica Gonçalves.

“Nesta era de crimes cibernéticos excessivos, a necessidade de proteger as organizações contra os ataques avançados é mais importante do que nunca. As empresas devem usar tecnologias pioneiras para se manterem protegidas desse cenário, devendo priorizar a prevenção para combaterem as ações dos cibercriminosos”, destaca o country manager da Check Point no Brasil.

Simplificação e conscientização

Felizmente, Gonçalves aponta que há um cenário com cada vez mais disposição para adoção de segurança digital. E um dos principais focos dos trabalhos de sua empresa, segundo ele, está em tirar a complexidade das ações para uso de ferramentas e diminuição de custo para os clientes, “simplificar ao máximo”.

Quatro pontos são destacados pela Check Point para a segurança digital das organizações. A prevenção, apontada acima; a consolidação dessa atenção em redes, nuvens e usuários; o uso da inteligência artificial e de operações dessa natureza na prevenção; e a confiança para clientes, especialistas e funcionários.

Tudo também acompanha a conscientização das pessoas, para mostrar o quanto há de ataques multi vetores e a necessidade para trabalhar sobre os riscos e ocorrências de ciberataques, como o ransomware. “Times de segurança digital caminhando juntos com os avanços das empresas na digitalização”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!