Em 7 de dezembro de 1972, três astronautas foram lançados a bordo do foguete Saturno V para aquela que se tornou a última vez que a humanidade colocou os pés na Lua.

A tripulação era composta por Eugene (Gene) A. Cernan, como comandante, Harrison H. Schmitt, como piloto do módulo lunar Challenger, e Ronald E. Evans, como piloto do módulo de comando América.

Harrison H. Schmitt, Ronald E. Evans e Eugene (Gene) A. Cernan sobre um simulador do Veículo Lunar Errante (LRV) no dia do lançamento da missão Apollo 17 – a última vez que a humanidade pisou na Lua. Imagem: NASA

No dia 11, enquanto Evans permaneceu em órbita, Cernan e Schmitt entraram para a história como os últimos dos 12 homens que pisaram na superfície lunar.

Passados exatos 50 anos, a missão Artemis 1 – a primeira do novo programa de exploração lunar da NASA – foi concluída com sucesso, no dia 11 de dezembro de 2022. 

publicidade

O principal objetivo desse voo não tripulado era circundar nosso satélite natural para testar tecnologias essenciais para todas as outras missões do Programa Artemis, como o megacomplexo veicular formado pelo foguete Space Launch System (SLS) e a cápsula Orion, além dos sistemas de comunicação e de suporte de vida.

sonda-artemis-nasa
Chegada da cápsula Orion ao porto de San Diego, na Califórnia em 11 de dezembro de 2022. Créditos: NASA

Depois deste, o próximo voo é esperado para 2024, com tripulantes a bordo da missão Artemis 2, que foi projetada para repetir o mesmo circuito, também sem chegar a pousar em solo lunar.

Isso, de fato, só deve acontecer entre 2025 e 2026, com a Artemis 3, que finalmente levará a humanidade a pôr os pés novamente na Lua. Na última sexta-feira (13), a NASA emitiu uma atualização com mais detalhes sobre a missão.

Lançamento da missão Artemis 3

Quatro astronautas partirão da Plataforma de Lançamento 39B no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, no topo do SLS, o único foguete capaz de enviar a cápsula Orion, sua tripulação e seus suprimentos para a Lua em um único voo.

A tripulação será selecionada entre os mais diversos corpos de astronautas da história, cada um equipado com habilidades únicas e intensamente treinado.

Primeiro, a tripulação será lançada para a órbita da Terra, onde realizará verificações de sistemas e ajustes do painel solar da Orion. Então, um poderoso impulso do estágio de propulsão criogênica interino do SLS ajudará a cápsula a realizar uma manobra de injeção translunar, definindo seu curso para a Lua.

O trajeto

Durante vários dias, a tripulação viajará em direção à Lua e realizará queimaduras corretivas do motor para interceptar o campo gravitacional do nosso satélite natural. No momento e local certos, a Orion realizará uma série de duas queimas de motor para se colocar em uma órbita de halo quase retilíneo (NRHO). 

De centenas de órbitas potenciais, a NASA selecionou a NRHO para atingir os objetivos de longo prazo do Programa Artemis. O NRHO fornecerá comunicações quase constantes com a Terra e acesso a locais em toda a Lua. 

Por ser gravitacionalmente equilibrada entre a Terra e a Lua, essa órbita aumentará a eficiência de combustível. Em missões futuras, a NASA e seus parceiros montarão a estação espacial lunar Gateway nessa NRHO para servir como um centro para as missões Artemis.

Mapa da Missão Artemis 3. Créditos: NASA

Sistema de pouso fornecido pela SpaceX

A NASA selecionou a SpaceX para fornecer o sistema de pouso humano que transportará os astronautas da Artemis 3 de dentro da Orion em órbita lunar para a superfície da Lua e vice-versa. 

Segundo a agência espacial norte-americana, a SpaceX planeja usar um conceito único de operações para aumentar a eficiência geral de seu lander. 

Após uma série de testes, a empresa de Elon Musk voará pelo menos uma missão de demonstração não tripulada que pousará a Starship na superfície lunar. Quando a Starship atender a todos os requisitos da NASA e aos altos padrões de segurança da tripulação, ela estará pronta para sua primeira missão Artemis.

Representação artística do módulo de pouso Starship, da SpaceX, chegando à Lua. Imagem: SpaceX

Primeiro pouso na superfície lunar no século 21

Em preparação para a Artemis 3, antes do lançamento da tripulação, a SpaceX vai implantar um depósito de armazenamento na órbita da Terra. Uma série de naves-tanque reutilizáveis transportará propelente para o depósito de armazenamento para abastecer o sistema de pouso humano. 

O sistema de pouso humano não tripulado da Starship será então lançado para a órbita da Terra e se encontrará com o depósito de armazenamento para encher seus tanques antes de executar uma queima de motor de injeção translunar e viajar aproximadamente seis dias para a NRHO, onde aguardará a tripulação da Artemis 3.

Quando ambas as espaçonaves chegarem à NRHO, a Orion irá atracar com o sistema de pouso humano da SpaceX em preparação para a primeira expedição à superfície lunar do século 21. 

Dois astronautas embarcarão no módulo de pouso e dois permanecerão na Orion, que vai desacoplar e se afastar da Starship para permanecer na NRHO por aproximadamente uma órbita ao redor da Lua, durando cerca de 6,5 dias. 

Isso corresponderá ao comprimento da expedição de superfície, de modo que, à medida que Orion completar sua órbita, a tripulação de superfície de duas pessoas terminará seu trabalho a tempo de se lançar de volta para encontrar a espaçonave.

Locais de pouso

Para a era Artemis da exploração lunar humana, a NASA está de olho em locais ao redor do Polo Sul.

Condições extremas e contrastantes tornam essa área um local desafiador para os terráqueos pousarem, viverem e trabalharem, mas as características únicas da região são promissoras para descobertas científicas sem precedentes no espaço profundo. 

Usando tecnologia avançada, incluindo sistemas autônomos, a tripulação dentro da Starship pousará em um local cuidadosamente selecionado dentro de um raio de 100 metros.

Após o pouso, a primeira tarefa da tripulação de superfície será garantir que todos os sistemas estejam prontos para sua estadia na Lua. Em seguida, eles vão descansar, se alimentar e recarregar as energias para o primeiro dia completo da expedição.

Vestindo trajes fornecidos pela Axiom Space, os astronautas conduzirão experimentos dentro do módulo de pouso e também farão caminhadas na superfície lunar para tirar fotos, fazer vídeos, pesquisar a geologia, coletar amostras e outras funções.

As equipes de controle da missão no solo estarão em contato com a tripulação enquanto transmitem o que veem, ouvem e sentem. Através da cobertura da missão e da capacidade de enviar imagens e vídeos de alta qualidade para o solo com tecnologia de comunicação avançada, eles estarão compartilhando uma nova experiência humana única com o mundo.

Leia mais:

Voltando para casa

Quando sua expedição estiver concluída, os dois astronautas decolarão da superfície da Lua e voltarão para a NRHO na Starship para se reunir com seus companheiros de tripulação na cápsula Orion. 

Após a atracação, a tripulação passará até cinco dias em órbita, transferindo amostras entre os veículos e se preparando para a viagem de volta à Terra.

Quando chegarem ao ponto de partida ideal da NRHO, eles desacoplarão e inflamarão os motores da Orion, lançando a espaçonave pela Lua e permitindo que ela parta em direção à Terra. 

A tripulação viajará cerca de 40 mil km/h durante a reentrada na atmosfera da Terra. Equipada com 11 paraquedas, a espaçonave mergulhará no Oceano Pacífico, onde será recuperada, assim como a tripulação, com o apoio da Guarda Costeira dos EUA e da Marinha dos EUA.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!