A desenvolvedora EA Sports está se preparando para remover o técnico Jon Gruden do ‘Madden NFL 22’, anunciou a empresa na quarta-feira (13). Gruden era treinador do Las Vegas Raiders, time de futebol americano que disputa o campeonato norte-americano. Ele renunciou ao cargo no início desta semana, após a divulgação de e-mails com conteúdo racista, homofóbico e misógino.

As mensagens preconceituosas de Jon Gruden foram descobertas em uma investigação da liga, a NFL, que apurou má conduta de trabalho no Washington Football Team. O jornal norte-americano The New York Times revelou os e-mails, usando repetidamente linguagem racista, homofóbica e machista quando trabalhava como comentarista no programa ‘Monday Night Football’, de 2009 a 2018, na ESPN.

publicidade

Review: ‘Madden NFL 22’ pouco inova em jogo que mira apenas os experts em futebol americano

Leia mais:

Jon Gruden saiu da emissora quando foi contratado pelo time de Las Vegas. Na segunda-feira (11), quando deixou o time, ele emitiu um curto comunicado. “Eu amo o Raiders e não quero ser uma distração. Obrigado aos jogadores, treinadores, funcionários e torcedores. Peço desculpas, eu nunca quis machucar ninguém”, disse o técnico.

Madden NFL 22 review
O jogo ‘Madden NFL 22’ foi lançado em agosto. Imagem: EA Sports/Divulgação

Ao anunciar a remoção de Gruden do ‘Madden NFL 22’, a EA Sports disse estar comprometida para manter uma cultura de inclusão e equidade. “Devido às circunstâncias da renúncia de Jon Gruden, estamos tomando medidas para removê-lo do ‘Madden NFL 22’. Vamos substituí-lo por uma semelhança genérica por meio de uma atualização de título nas próximas semanas”, completa o comunicado.

O jogo foi lançado há menos de dois meses, no dia 20 de agosto, desenvolvido pela EA Tiburon. ‘Madden NFL’ vendeu mais de 250 milhões de cópias desde o início da franquia, em 1988.

Nos e-mails, Gruden usou uma palavra racista para se referir a DeMaurice Smith, diretor executivo da NFL, e uma homofóbica para o comissário da liga Roger Goodell. Ele ainda disse que Goodell não deveria ter pressionado o antigo técnico do Rams, Jeff Fisher, a convocar “bichas”, por causa de Michael Sam, jogador abertamente gay. O técnico tinha em seu elenco do Raiders outro atleta homossexual, Carl Nassib.

As mensagens preconceituosas não pararam por aí. Entre os e-mails machistas, ele criticou a introdução de mulheres na arbitragem da NFL e enviou imagens de mulheres sem roupa para Bruce Allen, ex-presidente do Washington Football Team, e outros contatos. Ele ainda sugeriu que a NFL demitisse jogadores que se ajoelharam em protesto durante o hino dos Estados Unidos.

Via: CNN / Variety

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!