De acordo com um novo estudo, o aquecimento global deve forçar aviões a voar um pouco mais alto que o normal. Isso porque as mudanças climáticas estão forçando uma expansão da camada mais baixa de nossa atmosfera. O material foi publicado no jornal científico Science Advances, em 5 de novembro.

A camada inferior da atmosfera, ou troposfera, é a parte mais próxima da nossa superfície. De acordo com o estudo, medições feitas por meio de balões atmosféricos nos últimos 40 anos mostram que ela vem se expandindo a um ritmo de mais ou menos 50 metros (m) por década. Considerando o tempo de estudo, estamos falando de uma diferença de 200 m.

publicidade

Leia também

Atmosfera da Terra vista do espaço
Mudanças causadas pelo aquecimento global na atmosfera têm sido mais severas nos últimos anos, podendo forçar mudanças em atividades simples, como voar de avião (Imagem: Alican Akcol/Shutterstock)

“Esse é um sinal bem explícito de que estão ocorrendo mudanças na estrutura atmosférica”, disse Bill Randel, cientista do National Center for Atmospheric Research em Boulder, no Colorado, e co-autor do estudo. “Esses resultados trazem uma confirmação independente, a ser somada a todas as outras evidências do aquecimento global, de que os gases do efeito estufa estão alterando a nossa atmosfera”.

Entender a troposfera significa compreender seu funcionamento em constante alteração: a grosso modo, ela consiste de uma altura variável entre sete quilômetros (km) acima dos pólos e 20 km acima da linha do equador. É nessa camada que nós vivemos e respiramos, além de ser nela onde estão localizadas as maiores partes do calor e da umidade – consequentemente, eventos climáticos comuns ocorrem na troposfera.

Por causa dessa relação conosco, é óbvio que a troposfera tem as maiores quantidades de ar para respirarmos. E o ar sofre mudanças conforme a temperatura: se está frio, ele se contrai; se esquentar, ele se expande.

Com base nesse conhecimento, os cientistas analisaram dados de 40 anos de avaliações meteorológicas, combinando tudo com dados de GPS, para revelar que, conforme as quantidades cada vez maiores de gases do efeito estufa prendem o calor na nossa atmosfera, houve um aumento na troposfera em seu ponto mais alto (chamado de “tropopausa” – o limite que nos leva à estratosfera).

O pior de tudo é que o aumento geral em si não é o maior problema, mas sim o fato de que a média desse aumento tem sido maior nas décadas mais recentes: entre 1980 e 2000, a expansão foi de mais ou menos 50 m por década, ao passo em que, no período entre 2001 e 2020, o aumento foi de 53,3 m – também por década.

A culpa disso é a mesma de outros problemas das mudanças climáticas: a atividade humana.

O aumento do aquecimento global pode obrigar aviões a voarem mais alto
Aviões enfrentam turbulências cuja severidade pode variar conforme condições climáticas da toposfera: mudanças trazidas pelo aquecimento global podem forçá-los a subir mais para minimizar riscos (Imagem: OlegRi/Shutterstock)

A análise proposta no estudo indica que as maiores taxas de aumento estão praticamente paralelas com a ampliação de ações do homem, como a industrialização e a queima de combustíveis fósseis. Comparado a fenômenos mais naturais, como erupções vulcânicas, os cientistas por trás do estudo afirmam que 80% da expansão da troposfera foram causados pelo homem.

O efeito imediato disso ainda é desconhecido pelos cientistas, mas uma previsão que o estudo dá como certa é a alteração da altura mínima de voos comerciais: por causa do aquecimento global, aviões terão que voar mais alto – ou arriscar turbulências mais frequentes e mais severas. 

E, além de tudo isso, há um terceiro problema – também revelado pelo estudo – que refere-se à estratosfera, a camada que vem depois da troposfera. Nela, fica concentrada parte da camada de ozônio, que nos protege dos raios ultravioleta (UV) do Sol. E, bem, a estratosfera está encolhendo, graças à emissão de aerossóis e gases que destroem o ozônio protetor – embora os cientistas reconheçam que políticas ambientais mais recentes tenham ajudado a conter essa parte.

“O estudo mostra duas formas importantes de como os humanos estão alterando a atmosfera”, disse Randel. “A altura da tropopausa vem sendo continuamente afetada pela emissão de gases do efeito estufa, mesmo que a sociedade moderna tenha apresentado sucesso ao estabilizar condições nocivas na estratosfera pelas restrições de uso de químicos que destroem o ozônio”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!