O eclipse parcial da Lua que ocorre na madrugada desta sexta-feira (19) será o segundo do ano, e o mais longo eclipse parcial da Lua dos últimos 580 anos. Para alguns brasileiros, ele também encerra um longo período de mais de dois anos sem eclipses lunares.

Um eclipse lunar ocorre quando Sol, Terra e Lua estão alinhados no espaço. Nesse momento, a Lua passa pela sombra da Terra e por isso tem sua superfície, ou parte dela, escurecida por essa sombra.

publicidade

Leia mais:

O eclipse parcial ocorre quando a Lua é parcialmente encoberta pela sombra da Terra
O eclipse parcial ocorre quando a Lua é parcialmente encoberta pela sombra da Terra.
Fonte: timeanddate.com

Este não será um eclipse total, mas por muito pouco. Quando atingir seu máximo, 99% da face visível da Lua estará encoberta pela sombra da Terra. O período de parcialidade deve durar 3 horas e 28 minutos, o que torna esse fenômeno o mais longo eclipse parcial dos
últimos 580 anos.

A duração de um eclipse depende do quanto a Lua passa perto do centro do cone de sombra da Terra. Quanto mais perto do centro, mais demorado o eclipse, pois ela percorre uma distância maior dentro dessa sombra. No caso deste eclipse, a Lua vai passar bem próxima ao centro. Praticamente o mais próximo possível para um eclipse parcial. Por isso este eclipse será tão demorado.

Diagrama mostrando a Lua 99% encoberta pela sombra (umbra) da Terra durante o mais longo eclipse parcial dos últimos 580 anos
Diagrama mostrando a Lua 99% encoberta pela sombra (umbra) da Terra durante o mais longo eclipse parcial dos últimos 580 anos. Fonte: NASA

Mas aqui do Brasil, só será possível ver uma parte dele. A partir das 4:18, no horário de Brasília, a Lua começa a entrar na sombra da Terra e, em grande parte do país, ela se põe antes do eclipse atingir sua máxima.

As localidades mais a oeste serão mais privilegiadas. Apenas a metade oeste do Mato Grosso e Pará, além dos demais estados da Região Norte, poderão contemplar a fase máxima do eclipse, momento em que a Lua deve assumir uma coloração avermelhada.

Na região destacada, o pôr (ocaso) da Lua ocorre antes do momento máximo do eclipse. As localidades mais a oeste poderão contemplar a fase máxima do fenômeno
Na região destacada, o pôr (ocaso) da Lua ocorre antes do momento máximo do eclipse. As localidades mais a oeste poderão contemplar a fase máxima do fenômeno. Imagem: Prof. Marcos Calil/Climatempo

Para observar este eclipse, será preciso acordar cedo, procurar um local com boa visibilidade para o horizonte oeste e torcer para o tempo não atrapalhar. O fenômeno poderá ser contemplado a olho nu, mas uma visualização por telescópio ou binóculo pode melhorar
ainda mais essa experiência.

O eclipse da próxima madrugada será o primeiro eclipse lunar visto de todo o Brasil desde julho de 2019. Este ano, entre 25 e 26 de maio, houve outro eclipse lunar, mas que não foi visível de todo o país, e ainda ocorreu num momento de muita nebulosidade no Sul e Sudeste. Então, pra muita gente, vai ser uma excelente oportunidade para matar essa saudade dos eclipses.

Eclipse parcial da Lua de 16 de julho de 2019 registrado em Picuí, PB
Eclipse parcial da Lua de 16 de julho de 2019 registrado em Picuí, PB. Foto: Anderson Dantas

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!