Chineses suspeitam que coronavírus pode se espalhar por canos em prédios

As autoridades deixaram um prédio em quarentena, pois suspeitam que um cano ajudou a disseminar o vírus pelos apartamentos

Luiz Nogueira, editado por Matheus Luque 11/02/2020 09h45
Coronavírus China
A A A

Dezenas de pessoas ficaram em quarentena em um complexo habitacional de Hong Kong depois que o coronavírus pareceu se espalhar pelos canos do edifício. Até o momento, o número de casos na China superou 42 mil.


Autoridades de Hong Kong evacuaram e colocaram em quarentena dezenas de moradores de um prédio de apartamentos após duas pessoas, que moram em andares diferentes, terem sido infectadas com o coronavírus, disseram as autoridades nesta terça-feira (11).

Os dois casos pareciam sugerir que o vírus havia se espalhado pelo prédio, talvez por um cano, levantando novos temores sobre a capacidade do vírus de se espalhar.

Autoridades do Centro de Proteção à Saúde da cidade disseram que a decisão de evacuar parcialmente o prédio foi tomada após a descoberta de um cano de banheiro não lacrado no apartamento de uma paciente recentemente confirmada, uma mulher de 62 anos. Ela mora 10 andares abaixo de um morador que foi infectado recentemente.

No total, foram encomendadas quarentenas para os residentes de 23 unidades da Casa Hong Mei, um edifício na Cheung Hong Estate, um bloco de moradias públicas na seção 'Novos Territórios' da cidade.

Problemas com locais de grande circulação

Quase um terço dos casos confirmados em Tianjin, cidade com mais de 15 milhões de habitantes, localizada a cerca de 70 quilômetros a sudeste de Pequim, foram ligados a uma loja de departamentos, aumentando o receio sobre a transmissão rápida entre comunidades fortemente agrupadas.

Reprodução

Dos 102 casos confirmados na cidade, pelo menos 33 dos pacientes trabalhavam ou faziam compras em uma loja de departamento do distrito de Baodi, ou tinham contato próximo com funcionários e clientes, segundo as autoridades de saúde da cidade.

Mais de 11 mil pessoas, que passaram pela loja no fim de janeiro ainda não foram identificadas, obrigando as autoridades a aumentar a segurança para evitar a infecção de pessoas que desconhecem portar o vírus. A loja foi completamente fechada e passará por um processo de desinfecção.

Disseminação em outros lugares

Uma importante autoridade de saúde chinesa disse que três províncias populosas podem estar vulneráveis à disseminação do coronavírus, pois os trabalhadores migrantes retornam aos seus empregos após o intervalo do Ano Novo Lunar.

O funcionário, He Qinghua, disse que as províncias de Zhejiang, Guangdong e Henan podem ver um aumento em novos casos, mesmo com o número de casos confirmados fora da província de Hubei, o coração do surto, diminuindo.Reprodução

As observações destacam a possibilidade iminente de que mais pessoas possam ser infectadas ao retomar suas rotinas normais. Oficiais do governo estenderam o feriado oficial do Ano Novo Lunar da China em três dias para manter as pessoas em casa. Os principais centros comerciais, como as cidades de Pequim, Xangai e as províncias de Guangdong e Shandong, estenderam as férias até segunda-feira (10).

Número de mortos até o momento

O número de mortos pela epidemia de coronavírus continua aumentando, disseram autoridades chinesas na terça-feira (11). No fim da segunda-feira (10), segundo o governo, 1.016 pessoas haviam morrido oficialmente do coronavírus - um aumento de 108 em relação ao dia anterior. A província de Hubei foi responsável pela grande maioria das mortes.

O número de casos de infecção na China também aumentou, passando de 40 mil para 42.638 no dia anterior. A maioria das infecções ocorre em Hubei, embora a contagem diária de novas infecções tenha caído em comparação aos dias anteriores.

Navio impedido de atracar

Um navio de cruzeiro da Holland America, com mais de 2.200 pessoas a bordo, foi impedido de entrar na Tailândia nesta terça-feira (11) por temores de que os passageiros possam estar carregando o perigoso coronavírus, elevando o número total de portos dos quais ele foi recusado para pelo menos cinco.

O navio, Westerdam, que partiu de Hong Kong em 1º de fevereiro, já foi desviado em portos em pelo menos cinco países, incluindo o território dos Estados Unidos, Filipinas e Japão. A Tailândia, que registrou mais de 30 casos do vírus, havia concordado anteriormente em deixar o navio atracar em Bangkok, mas parece ter mudado de ideia.

Foto: Reprodução / Holland America

A Holland America declara que ninguém a bordo está infectado com o vírus. "O navio não está em quarentena e não temos motivos para acreditar que haja casos de coronavírus a bordo, apesar dos relatos da mídia", disse a empresa em comunicado divulgado segunda-feira (10).

A companhia disse que todos os passageiros receberiam um reembolso de 100% e um crédito de 100% para uma futura viagem. O navio estava fornecendo acesso gratuito à internet e telefone aos passageiros, informou.

Um navio diferente, o Diamond Princess, está atracado há mais de uma semana em Yokohama, no Japão, onde foi colocado em quarentena depois que os casos de infecção foram confirmados.

Proibições

A companhia de cruzeiros Royal Caribbean impediu que uma cientista e sua família embarcassem em um navio da empresa por portarem passaportes chineses. Um profissional de saúde checou suas temperaturas e perguntou se haviam entrado em contato com alguém da China recentemente. Embora tenham respondido que não, o funcionário da empresa não permitiu que a cientista embarcasse.

Em um comunicado, a Royal Caribbean disse que proibiu passageiros portadores de passaportes da China, Hong Kong e Macau porque os governos de todo o mundo adotaram medidas semelhantes.

Via: New York Times



Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Saúde China doença coronavirus
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você