A missão Inspiration4 (I4), que fará o primeiro voo orbital totalmente civil do mundo, está programada para acontecer nesta quarta-feira (15). A nave Crew Dragon Resilience, da SpaceX, será lançada no topo do foguete Falcon 9 Block 5 (B1062-3) diretamente do Complexo de Lançamento 39A, no Kennedy Space Center, no Cabo Canaveral, na Flórida, Estados Unidos, a partir das 21h (horário de Brasília). A janela de lançamento começa às 17h (horário de Brasília).

Veja mais:

publicidade

O Olhar Digital transmitirá ao vivo o lançamento a partir das 20h15 desta quarta-feira no YouTubeFacebookInstagramTwitterLinkedIn e TikTok.

Este também será o primeiro voo com tripulação que não irá atracar em uma estação espacial desde a missão final de manutenção do telescópio Hubble, a STS-125, em maio de 2009.

Centro Espacial Kennedy, no Cabo Canaveral, na Flórida, Estados Unidos
Foguete Falcon 9 em uma plataforma no Centro Espacial Kennedy, no Cabo Canaveral, na Flórida, Estados Unidos. Créditos: SpaceX

Por que a missão é importante?

A Inspiration4 tem como objetivo arrecadar US$ 200 milhões para o St. Jude Children’s Research Hospital, em Memphis, no Tennessee, Estados Unidos, e seus programas de pesquisa para o tratamento do câncer ósseo infantil.

Os primeiros US$ 100 milhões foram doados por Jared Isaacman, um empresário bilionário de Nova Jersey que financiou e irá comandar o voo, e o restante será arrecadado através do site Inspiration4.

Visão de dentro da Crew Dragon Resilience
Visão de dentro da Crew Dragon Resilience. Créditos: SpaceX

Quem são os tripulantes?

A tripulação, que foi selecionada no início deste ano, será liderada por Isaacman. Também estarão a bordo da Crew Dragon Resilience: Hayley Arcenaux, enfermeira assistente do Hospital St. Jude Children’s Research e sobrevivente de um câncer ósseo infantil, de Louisiana; o engenheiro de dados Chris Sembroski, da Carolina do Norte; e a geocientista, comunicadora científica e artista Sian Proctor, que também foi professora no South Mountain Community College, no Arizona. 

“Tive muita sorte na vida. Essas famílias [em St. Jude] estão passando por coisas que ninguém deveria ter que passar. É uma dor de cabeça imensa, e a parte triste é que muitas dessas crianças não vão crescer para [ter] qualquer uma das experiências que tive a sorte de ter na vida. Nós temos que fazer algo quanto a isso”, disse Isaacman.

Tripulação do Inspiration4, da SpaceX: Hayley Arcenaux, Chris Sembroski, Sian Proctor, Jared Isaacman
Tripulação do Inspiration4, da SpaceX: Hayley Arcenaux (canto superior esquerdo), Chris Sembroski (canto superior direito), Sian Proctor (canto inferior esquerdo) e Jared Isaacman (canto inferior direito). Imagem: Inspiration4

Quanto tempo estará no espaço?

A espaçonave ficará na órbita da Terra por três dias e, então, retornará ao nosso planeta. Durante a jornada, ela atingirá uma altitude de 590 quilômetros, muito além da Estação Espacial Internacional (422 km) ou do Telescópio Espacial Hubble (540 km). Será a primeira vez, desde as missões Apollo, que a humanidade se aventura tão “longe” no espaço.

A duração da missão é limitada apenas pela capacidade da Crew Dragon em carregar suprimentos. Sem atracar na Estação Espacial Internacional, a espaçonave tem capacidade para apenas cinco dias em órbita.

Qual a diferença para os vôos de Richard Branson e Jeff Bezos?

Os bilionários Richard Branson (da Virgin Galactic) e Jeff Bezos (da Amazon e Blue Origin) dominaram o noticiário no final de julho e começo de agosto com seus voos privados ao espaço. Mas a missão da Inspiration4 é muito mais ambiciosa, e tecnicamente complexa.

A principal diferença está na altitude. Branson foi a 82 km, o que satisfaz por pouco a definição de “espaço” nos EUA. Mas não é o bastante para a Federação Aeronáutica Internacional, que determina que a fronteira do espaço está a 100 km de altitude, na chamada “Linha de Kármann”.

Bezos ultrapassou a Linha de Kármann, chegando a 107,04 km. Ou seja, definitivamente chegou ao espaço. Mas ambos fizeram um voo suborbital: suas espaçonaves subiram em uma trajetória parabólica e, após atingir a altitude máxima, imediatamente começaram a descida de volta à Terra.

Por isso ambos tiveram duração tão curta: Branson passou apenas 4 minutos em gravidade zero, e o voo completo de Bezos durou 10 minutos, da decolagem ao pouso. Já a Inspiration4 é uma missão orbital, ou seja, tem velocidade (28 mil km/h) e altitude (590 km) suficiente para “dar voltas” ao redor do planeta, com um período em gravidade zero que será medido em dias.

Em um contexto histórico, a viagem da Inspiration4 é similar ao voo pioneiro de Yuri Gagarin, que em 12 de abril de 1961 completou uma órbita ao redor da Terra e se tornou o primeiro humano no espaço. Já os voos de Branson e Bezos são similares ao de Alan Shepard, primeiro norte-americano no espaço, que voou em 5 de maio de 1961.

Os norte-americanos só chegariam à órbita terrestre em sua terceira missão tripulada, a Friendship 7 com John Glenn, em 20 de fevereiro de 1962.

Janela dará vista especial da Terra para a missão

Ao contrário de outras Crew Dragon, que tem janelas retas e relativamente pequenas, a cápsula usada na missão recebeu uma janela especial chamada Cupola, que oferece uma visão em 360º do espaço. Ela foi originalmente revelada em abril deste ano, com o CEO da SpaceX, Elon Musk, elogiando o projeto como “de outro mundo”.

A Cupola (ou “maravilha da engenharia”, segundo Isaacman) é um projeto exclusivo para esta missão, já que ela substitui o conector de atracação à Estação Espacial Internacional (ISS), que é essencial em missões tripuladas ou de carga até lá. Entretanto, como a Inspiration4 ficará em livre flutuação na órbita e não passará por lá, o conector não é necessário.

Imagem mostra uma astronauta civil interagindo com a "Cupola", uma janela especial da nave Crew Dragon, da SpaceX
Imagem mostra uma astronauta civil interagindo com a “Cupola”, uma janela especial da nave Crew Dragon, da SpaceX.
Imagem: SpaceX/Divulgação

Treinamento da tripulação

A tripulação iniciou o treinamento em março deste ano. Eles aprenderam onde os suprimentos da missão são armazenados na espaçonave e como acessar os itens em caso de emergência.

Em meados de julho, a tripulação se vestiu pela primeira vez em trajes espaciais da SpaceX. Os trajes de treinamento foram feitos anteriormente, alguns para a missão Crew-1, e não eram os trajes sob medida que a tripulação usará durante o voo.

Jared Isaacman
Jared Isaacman. Créditos: Nasa

Eles também voaram em gravidade zero pela primeira vez em julho. O experimento foi realizado a bordo de uma aeronave Boeing 727 modificada e pilotada pela Zero Gravity Corporation (Zero-G), de forma a preparar os tripulantes para a missão.

Em uma das atividades, os tripulantes do Inspiration4 passaram por uma centrífuga na qual foram girados em círculos, para simular as forças gravitacionais que experimentarão em sua viagem. 

Além disso, suportaram treinamento em câmara de altitude e escalaram a encosta do Monte Rainier, em Washington, para praticar o trabalho em equipe em momentos desafiadores. Os quatro escolhidos caminharam até um acampamento localizado a milhares de metros acima do nível do mar, imitando a tradição de astronautas profissionais antes de suas missões.

Tripulação passa por treinamento
Tripulação da Inspiration4 em treinamento. Imagem: Inspiration4

Mais recentemente, tiveram a oportunidade de treinar com um caça a jato. “De longe, uma das melhores partes do treino de astronauta da @inspiration4x é voar e, embora nosso foguete vá muito mais rápido – isso nos dá a oportunidade de ganhar consciência situacional em um caça a jato complexo e rápido”, postou Sian Proctor, que pilotará a missão, no Twitter.

Ainda como parte desse treinamento de caça a jato, a tripulação também solidificou seus “indicativos”, que são apelidos que pilotos e astronautas usam quando se comunicam em voo. Sembroski é “Hanks”, Proctor é “Leo”, Issaacman é “Rook” e Arcenaux é “Nova”.

Empolgação só cresce

Embora a tripulação tenha trabalhado bastante no aprendizado e no treinamento, eles ainda estão na grande expectativa e empolgação com a viagem espacial que está por vir. 

“Estou animada com muitas coisas”, disse Arcenaux. “Claro, vivenciar o ambiente de microgravidade e o momento em que veremos a Terra do espaço pela primeira vez. Mas, o que realmente espero é o momento em que vamos ligar para os pacientes de St. Jude do espaço”.

Arcenaux, agora, trabalha como enfermeira assistente no hospital onde ela foi paciente quando criança. Tendo sobrevivido a um câncer ósseo, ela não só ligará para as crianças da St. Jude do espaço, mas também fará história como a primeira pessoa com uma prótese a chegar ao espaço. 

“Vai ser tão divertido para nossos filhos ver alguém que está no mesmo lugar, crescendo e realizando seus sonhos e, então, sabendo que eles podem fazer o mesmo”, disse ela. “Tudo que eu sempre quis fazer desde os 10 anos é trabalhar no St. Jude. Nunca pensei que seria uma astronauta”, acrescentou.

Sobre o fato de ter uma prótese no corpo, Arcenaux se sente orgulhosa. “Até agora, os astronautas realmente tinham que ser fisicamente perfeitos. E eu não me encaixo nessa categoria. Eu tenho uma haste de metal na minha perna, de quando eles salvaram minha perna do câncer. Eu me sinto muito honrada em abrir esse caminho”.

Isaacman falou sobre o assunto à Space.com. “Temos um grande representante humanitário da nossa missão, que representa o espírito de esperança”.

Como parte do recente treinamento de caça a jato da tripulação, Arcenaux colocou sua prótese à prova. “Mandei uma mensagem ao meu cirurgião ortopédico dizendo que minha prótese interna pode oficialmente suportar 8 Gs! #Cancersurvivorscan“, tuitou Arcenaux após o treinamento de voo. 

Missão tem tripulação inspiradora

Igualmente entusiasmado está o restante da tripulação do primeiro voo totalmente civil da SpaceX, todos de origens diferentes, e bastante ansiosos para experimentar o espaço pela primeira vez e compartilhar suas histórias e jornadas quando retornarem. “É algo com que você sonha a vida inteira”, disse Proctor. 

Para Sembroski, a experiência foi um pouco difícil de acreditar. Muito porque ele não deveria voar no Inspiration4. Sembroski se juntou à tripulação como parte da campanha de arrecadação de fundos sem fins lucrativos da missão St. Jude, que ofereceu um assento no voo a um sortudo vencedor do concurso. A pessoa cuja doação originalmente conquistou a vaga é amiga de Sembroski, e cedeu seu lugar a ele.

“É tão, tão esmagadoramente satisfatório e incrível. Eu me sinto tão abençoado por ter tanta generosidade para fazer tudo isso acontecer”, disse Sembroski.

Agora, faltando apenas alguns dias para o lançamento, a tripulação disse que finalmente está se dando conta de que eles estão indo para o espaço. “Essa constatação realmente me atingiu quando abri a sacola [do presente da missão], tirei o emblema da missão e meio que segurei em minhas mãos por alguns minutos”, disse Sembroski. “E ter isso em suas mãos, apenas sentir isso e ver que você faz aquela conexão física com a história que você acabou de ver se desenrolar na tela do computador”.

Ele acrescentou que a realidade dessa missão e o que ela representa realmente começaram a se encaixar quando ele conheceu Proctor, e então viu sua paixão pelo espaço surgir durante a preparação. 

“Ela ganhou”, disse ele, “com base em seu coração e na arte espacial, não apenas em sua experiência e currículo. Você sabe, ela fez todas essas coisas incríveis, mas […] ganhar um lugar não era sobre nada ou seu currículo, era apenas, ela deixou sua verdadeira paixão vir à tona […] seu amor pelo espaço e pela arte. Acho que isso vai realmente ao cerne da missão”, acrescentou. “Ser inspirador para os outros perseguirem esses sonhos”.

Tripulação da Inspiration4
Tripulação da Inspiration4. Créditos: Inspiration4

‘Inspiration4: Viagem Estelar’ estreou nesta segunda-feira (6) na Netflix

Esta segunda-feira (6) marca o começo de uma série diferente na Netflix. Não diferente em termos de título ou novidade, mas de formato. ‘Inspiration4: Viagem estelar’ acompanha a primeira missão civil da SpaceX. A série documental começa com episódios apresentando a tripulação da espaçonave Crew Dragon.

O terceiro episódio vai ao ar apenas na próxima segunda-feira (13), mostrando a preparação da equipe para a missão. Dois dias depois, os espectadores poderão assistir ao vivo ao lançamento da Inspiration4. O quinto episódio da série estreia apenas no dia 30 de setembro. Ele será como o “final de um longa-metragem”.

A Netflix apresentou a produção como sua primeira série documental a cobrir um evento “quase em tempo real”. O documentário é dirigido por Jason Hehir, criador da série ‘The Last Dance’, sobre o lendário ex-jogador de basquete Michael Jordan, e coproduzido pelo Time Studios.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!