O atual administrador da Nasa, Bill Nelson, participou nesta semana de um evento na Universidade da Virgínia onde fez uma conexão entre os avistamentos de OVNIs registrados por forças militares nos EUA e nossa eterna busca por vida alienígena.

“Eu conversei com aqueles pilotos e eles sabem que viram algo, e seus radares ‘travaram‘ nisso”, Nelson disse ao público. “E eles não sabem o que é. E nós não sabemos o que é. Esperamos que não seja um adversário aqui na Terra que tenha esse tipo de tecnologia”.

publicidade

Leia mais:

Oficialmente, é um dos motivos para o interesse dos militares dos EUA no fenômeno: a possibilidade de que algum adversário, como a China ou Rússia, tenha desenvolvido tecnologia aeroespacial tão avançada que está além da compreensão de seus melhores engenheiros, e é capaz de atravessar rotineiramente as defesas de um país com uma das maiores forças bélicas do planeta.

Segundo o Futurism, Nelson completou: “Mas há algo”, conectando as perguntas levantadas pelo fenômeno com as grandes questões relacionadas à nossa existência. “Esta é uma missão onde estamos constantemente questionando,’Quem está por aí? Quem somos nós? Como chegamos aqui? Como nos tornamos quem somos? Como nos desenvolvemos? Como nos civilizamos? Será que essas mesmas condições existem em um universo que tem bilhões de outros sóis e bilhões de outras galáxias?’ É algo tão grande que não consigo conceber”.

Ovnis: governo dos EUA admite não ter explicação
UFO/Computer Earth/Shutterstock

Nelson vai além, tocando na teoria de que além de um incontável número de planetas, há também um incontável número de universos. “Existem até teorias de que pode haver outros universos”, acrescentou. “E se for esse o caso, quem sou eu para dizer que o planeta Terra é o único lar de uma forma de vida civilizada e organizada como a nossa?”.

Ou, como disse o astrônomo Carl Sagan no livro Contato: “O Universo é um lugar muito grande. Se só nós existirmos, parece um enorme desperdício de espaço”.

Obviamente, temos que deixar claro que as opiniões de Nelson, como indivíduo, não necessariamente refletem as opiniões ou o conhecimento da Nasa como um todo. Ele pode acreditar no Grande Monstro do Spaghetti, mas isso não quer dizer que seja real. Ou é?

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!