A China enviou ao espaço nesta sexta-feira (15) a segunda tripulação a ocupar o módulo central (Tianhe) de sua futura estação espacial, a Tiangong. Três “taikonautas” (como a China chama seus astronautas) decolaram a bordo de um foguete Longa Marcha 2F partindo do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no deserto de Gobi, às 13h23 (horário de Brasília).

Os tripulantes são Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu, que eram a tripulação de backup da Shenzhou-12, que retornou à Terra recentemente. Este será o primeiro voo de Ye e a primeira vez que uma mulher, Wang, visita a Tiangong. Já Zhai é conhecido por ter sido o primeiro astronauta chinês a realizar uma caminhada espacial, em 2008.

publicidade

.Em uma cerimônia antes da partida, Zhai disse a oficiais das forças armadas chinesas: “Tenham certeza de que certamente teremos sucesso nesta missão”. Após a espaçonave Shenzhou-13 chegar à órbita, o taikonauta reportou que a tripulação estava bem, e que todos os sistemas operavam nominalmente.

O lançamento foi transmitido ao vivo, e com comentário em inglês, no canal da emissora chinesa CGTN no YouTube, em um evento com mais de três horas de duração (reveja abaixo).

A missão Shenzhou-13 tem duração prevista de seis meses, o dobro da atual recordista, a Shenzhou-12, que durou três meses. Neste período, os astronautas continuarão o trabalho de montagem e certificação do Tianhe, módulo central da estação Tiangong e único componente que já está no espaço.

Entre as atividades previstas está um teste de transferência de uma espaçonave de uma porta de atracamento para outra, usando o braço robótico da estação. A espaçonave a ser usado no teste é a Tianzhou 2, que levou suprimentos para a Shenzhou-12.

Também estão planejadas duas ou três caminhadas espaciais, que terão como objetivo instalar um adaptador que permitirá que o braço robótico principal da estação se conecte a um braço menor, que será instalado em um módulo futuro. 

Tripulantes da Shenzhou-13 se despedem antes do lançamento. Da esquerda para a direita, Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu. Imagem: CGTN / CCTV

Leia mais:

Em 20 de setembro uma espaçonave não tripulada, a Tianzhou 3, se acoplou à estação levando 6 toneladas de suprimentos, equipamento e experimentos. Segundo a agência espacial chinesa, para concluir a construção da Tiangong até 2022 serão necessárias 11 missões no total, incluindo quatro missões tripuladas, quatro missões de carga e o lançamento de três módulos.

Além de Tianhe, a estação receberá outros dois módulos, que quando conectados lhe darão a forma de um T: são eles o Wentian (busca pelos céus) e Mengtian (sonhando com os céus). Wentian e Tianhe terão braços robóticos para manipulação de componentes externos, e Mengtian terá uma câmara de descompressão para acesso ao exterior da estação.

Quando completada a estação Tiangong, terá vida útil de 10 anos, que poderá ser estendida a até 15 anos com upgrades futuros.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!